CLAF

Segunda a Sexta de 7h às 19h
Sábado de 7h às 12h

CLAF

(61) 3345-7679

Transtorno alimentar: o que é, sintomas e como diagnosticar?

Quando se fala em transtorno alimentar, geralmente o termo é usado no plural (transtornos alimentares), já que se trata de uma série de condições específicas, que geram sintomas e comportamentos diferentes, mas todas elas tendo como base uma relação complexa com os alimentos.

Neste conteúdo, você vai saber o que são transtornos alimentares, como identificar um quadro desse tipo e os melhores tratamentos.

O que é um transtorno alimentar?

Transtornos alimentares são condições psiquiátricas que afetam a relação de uma pessoa com a comida, com seu peso corporal e com sua própria imagem. Possui, inclusive, código estabelecido de doença pelo CID 10 (F50 – Transtornos da alimentação).

Essas condições podem levar a comportamentos alimentares extremos e prejudiciais à saúde física e mental. Os transtornos alimentares são caracterizados por uma preocupação excessiva com o peso e a aparência, o que pode resultar em restrição alimentar severa, episódios de compulsão alimentar, evacuação ou vômito provocados, exercícios excessivos e uma visão distorcida do próprio corpo.

Existem vários tipos de transtornos alimentares, com características distintas, incluindo:

Anorexia nervosa

Pessoas com anorexia nervosa têm um medo intenso de ganhar peso e, consequentemente, restringem drasticamente a ingestão de alimentos, muitas vezes levando à inanição. Isso resulta em uma perda de peso extrema, que é mantida mesmo quando a pessoa está significativamente abaixo do peso saudável. A anorexia nervosa também é caracterizada por uma preocupação obsessiva com a comida, imagem corporal e uma negação da gravidade do problema.

Bulimia nervosa

A bulimia nervosa envolve episódios recorrentes de compulsão alimentar, nos quais a pessoa consome uma quantidade excessiva de alimentos em um curto período de tempo, seguidos por comportamentos de purgação, como vômitos, uso excessivo de laxantes ou exercícios excessivos. Pessoas com bulimia nervosa frequentemente têm um peso corporal dentro da faixa normal, o que torna a condição menos visível externamente do que a anorexia.

Transtorno da compulsão alimentar periódica (TCAP)

O TCAP é caracterizado por episódios de compulsão alimentar, sem os comportamentos de purgação comuns na bulimia. As pessoas com TCAP comem em excesso de forma descontrolada, muitas vezes em resposta a emoções negativas, mas não tentam compensar os episódios de compulsão alimentar com comportamentos de purgação.

Transtorno da alimentação seletiva

Este transtorno envolve a restrição severa da variedade de alimentos ingeridos. Pessoas com transtorno da alimentação seletiva têm preferências alimentares extremamente limitadas, o que pode afetar sua nutrição e saúde.

Transtorno da imagem corporal

Embora não seja um transtorno alimentar em si, o transtorno da imagem corporal envolve uma preocupação excessiva e dismórfica com a aparência física, o que pode levar a comportamentos alimentares prejudiciais.

Os transtornos alimentares podem ter sérias consequências para a saúde física e mental, incluindo desnutrição, problemas cardíacos, desequilíbrios eletrolíticos (sódio, potássio, magnésio), depressão, ansiedade e até mesmo risco à vida. 

>>> Veja também – Tratamento da obesidade: como funciona o medicamento GLP-1

Quais os sintomas? Como perceber?

Identificar um transtorno alimentar pode ser desafiador, uma vez que muitos indivíduos que sofrem com essas condições podem tentar esconder seus comportamentos e sentimentos relacionados à comida e ao corpo. 

No entanto, existem vários sinais de alerta que podem indicar a presença de um transtorno alimentar. É importante observar esses sinais em si mesmo ou em alguém que você conhece e, se houver preocupações, procurar ajuda profissional. 

Alguns dos sinais de transtorno alimentar incluem:

✅ Mudanças significativas no peso corporal: Perda de peso acentuada, ganho de peso rápido ou flutuações frequentes no peso sem uma explicação médica.

✅ Preocupação excessiva com a comida, peso e dieta: Uma atenção constante à contagem de calorias, evitação de grupos de alimentos específicos, discussões constantes sobre dietas e alimentação.

✅ Comportamentos alimentares restritivos: Evitar grupos de alimentos inteiros, restringir severamente a ingestão calórica, pular refeições com frequência.

✅ Comer em segredo: Esconder ou disfarçar os hábitos alimentares, comer em segredo quando ninguém está por perto.

✅ Comer rápido demais: Comer em grande quantidade em um curto período de tempo, frequentemente seguido por sentimentos de culpa ou vergonha.

✅ Comportamentos de purgação: Induzir o vômito após as refeições, uso excessivo de laxantes ou diuréticos.

✅ Exercícios físicos: realizar atividades físicas de forma excessiva, como meio de compensar a ingestão de alimentos.

✅ Alterações na aparência física: Cabelos quebradiços, pele seca, unhas quebradiças, edema (inchaço), desidratação ou palidez extrema.

✅ Mudanças de comportamento: Isolamento social, mudanças no nível de energia, irritabilidade, depressão, ansiedade ou comportamento obsessivo em relação à comida e ao corpo.

✅ Preocupação excessiva com a própria imagem: Uma visão distorcida do próprio corpo, incluindo a crença de que está acima do peso, mesmo quando a perda de peso é evidente.

✅ Mudanças menstruais: Perda da menstruação (amenorreia) em mulheres que não estão grávidas, devido a desequilíbrios hormonais causados pela restrição alimentar.

✅ Evitar situações sociais: Evitar festas, refeições em família ou encontros sociais que envolvam comida.

É importante lembrar que a presença de um ou mais desses sinais não necessariamente indica um transtorno alimentar, mas pode ser um indicativo de preocupações relacionadas à alimentação e à imagem corporal. 

Se você (ou alguém próximo) estiver apresentando vários desses sinais, é fundamental procurar a ajuda de um profissional de saúde mental ou um especialista em transtornos alimentares. Quanto mais cedo um transtorno alimentar for identificado e tratado, melhor é a perspectiva de recuperação.

>>> Veja também – 5 consequências da obesidade!

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico de transtornos alimentares é geralmente feito por psiquiatras, psicólogos, psiquiatras infantis, endocrinologistas, terapeutas de distúrbios alimentares e médicos especializados em distúrbios alimentares. O processo de diagnóstico envolve uma avaliação cuidadosa que considera vários aspectos, incluindo:

Entrevista clínica

O profissional de saúde realizará uma entrevista clínica detalhada para obter informações sobre os sintomas, comportamentos alimentares, história médica, histórico de tratamentos, história familiar e quaisquer outros fatores relevantes.

Avaliação física

Um médico pode realizar exame físico para avaliar questões como peso, pressão arterial, estado nutricional e quaisquer problemas de saúde relacionados ao transtorno alimentar, como desidratação, desequilíbrios eletrolíticos ou complicações físicas.

Avaliação psicológica

Um profissional de saúde mental pode conduzir uma avaliação psicológica para avaliar questões emocionais e mentais relacionadas ao transtorno alimentar, como depressão, ansiedade e distorção da imagem corporal.

Testes laboratoriais

Em alguns casos, podem ser realizados testes laboratoriais, como exames de sangue, para avaliar o estado nutricional, os desequilíbrios eletrolíticos e outras complicações médicas associadas aos transtornos alimentares.

Avaliação da imagem corporal

A avaliação da percepção da imagem corporal é importante, pois muitas pessoas com transtornos alimentares têm uma visão distorcida de seus corpos.

Diário alimentar

Manter um diário alimentar pode ajudar a documentar os padrões alimentares e identificar comportamentos alimentares problemáticos.

Avaliação do histórico familiar

A história familiar de transtornos alimentares e outros problemas de saúde mental pode ser relevante para o diagnóstico.

É importante lembrar que o diagnóstico de um transtorno alimentar pode ser complexo, uma vez que muitas vezes esses distúrbios coexistem com outras condições psiquiátricas, como depressão, ansiedade ou transtornos de personalidade. Além disso, algumas pessoas podem negar a gravidade de seus problemas alimentares.

O diagnóstico específico de um transtorno alimentar, como anorexia nervosa, bulimia nervosa, transtorno da compulsão alimentar periódica (TCAP) ou outros, é baseado em critérios diagnósticos estabelecidos em manuais de diagnóstico, como o DSM-5 (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais). 

Existe tratamento para transtorno alimentar?

O tratamento de transtornos alimentares envolve uma abordagem multidisciplinar, que visa melhorar a saúde física e mental da pessoa afetada, bem como promover uma relação saudável com a comida e o corpo. 

Os principais tratamentos para transtornos alimentares incluem:

Psicoterapia

A terapia é um componente fundamental no tratamento de transtornos alimentares. Terapeutas especializados em transtornos alimentares, como a terapia cognitivo-comportamental (TCC), terapia interpessoal e terapia familiar, são frequentemente utilizados para ajudar a pessoa a entender as causas subjacentes de seu transtorno alimentar, identificar comportamentos disfuncionais relacionados à alimentação e ao corpo e desenvolver estratégias para mudar esses comportamentos.

Nutrição e aconselhamento alimentar

Um nutricionista especializado em transtornos alimentares pode desempenhar um papel crucial no tratamento, ajudando a pessoa a estabelecer um relacionamento saudável com a comida. Eles podem desenvolver planos alimentares equilibrados, educar sobre nutrição e apoiar a recuperação nutricional.

Acompanhamento médico

Um médico – muitas vezes um psiquiatra ou um médico especializado em transtornos alimentares – pode monitorar a saúde física da pessoa, diagnosticar e tratar complicações médicas associadas ao transtorno alimentar e, se necessário, prescrever medicações para tratar sintomas como depressão, ansiedade ou obsessões relacionadas à alimentação e ao corpo.

Apoio familiar

O envolvimento da família pode ser benéfico no tratamento de transtornos alimentares, especialmente em casos de adolescentes e jovens. Terapias familiares, como a terapia familiar baseada em evidências (FBT), podem ser eficazes.

Grupos de apoio

Participar de grupos de apoio ou ter contato com outras pessoas que estão passando por experiências semelhantes pode fornecer apoio emocional e compartilhar estratégias de enfrentamento.

Tratamento de comorbidades

Muitas pessoas com transtornos alimentares também apresentam comorbidades, como depressão, ansiedade ou transtornos de humor. O tratamento dessas condições subjacentes é parte integrante do tratamento global.

Hospitalização ou tratamento residencial

Em casos de risco iminente para a vida devido a desnutrição grave, distúrbios graves de eletrólitos ou outros problemas médicos, pode ser necessária a hospitalização ou tratamento residencial para estabilização.

Prevenção de recaídas

A prevenção de recaídas é uma parte importante do tratamento, com foco na manutenção dos ganhos obtidos durante a recuperação.

É importante notar que o tratamento de transtornos alimentares é individualizado e adaptado às necessidades específicas de cada pessoa. A duração do tratamento varia de acordo com a gravidade do transtorno e a resposta ao tratamento. 

A recuperação de um transtorno alimentar pode ser um processo longo e desafiador, mas com apoio adequado, muitas pessoas conseguem alcançar uma vida saudável e equilibrada. É fundamental procurar ajuda profissional o mais cedo possível, pois a detecção precoce e o tratamento adequado aumentam significativamente as chances de recuperação.

————————————-

Se você (ou alguém próximo) tem tido sintomas sugestivos de um transtorno alimentar, saiba que buscar ajuda profissional o quanto antes fará toda diferença.

Nesse sentido, considere a Clínica CLAF como sua melhor opção. Dispomos de endocrinologistas experientes e atenciosos, que farão a avaliação do seu quadro.

Se você está em Brasília ou Entorno, clique no link abaixo e venha cuidar da sua saúde conosco!

Quero agendar minha avaliação na CLAF

Powered By: Clínica da família