CLAF

Segunda a Sexta de 7h às 19h
Sábado de 7h às 12h

CLAF

(61) 3345-7679

Tratamento da obesidade: como funciona o medicamento GLP-1

Com cada vez mais opções surgindo no mercado, os medicamentos à base de GLP-1 têm sido muito falados e usados por pessoas que buscam controle do diabetes tipo 2 e/ou redução de peso.

No entanto, esse assunto ainda gera muitas dúvidas nas pessoas, tanto em relação a como funcionam quanto em relação aos seus possíveis riscos e efeitos colaterais.

Neste artigo falaremos sobre como funciona o medicamento GLP-1, quais as opções disponíveis no mercado (e suas diferenças), bem como os possíveis riscos que eles podem trazer.

O que é e como funciona o medicamento GLP-1

O GLP-1 é um hormônio produzido naturalmente pelas células do nosso intestino quando nós comemos. Esse hormônio provoca uma série de reações em cadeia, que avisam para nosso cérebro que nós já comemos, o que leva à sensação de saciedade (redução da fome).

Esse processo também provoca liberação de insulina (pelo pâncreas), para que a glicose (açúcar) dos alimentos seja absorvida pelas células do nosso corpo e aproveitada pelo organismo, ao mesmo tempo que reduz a produção do hormônio glucagon, que tem efeito contrário à insulina, ou seja, aumentar os níveis de glicose no sangue quando estão baixos, como nos momentos de jejum ou após grande gasto de energia em atividades físicas. A insulina e o glucagon agem em conjunto para manter um equilíbrio nos níveis de insulina – mais próximos do normal – nos diferentes momentos do dia.

Por tudo isso, o medicamento GLP-1 tem sido visto como um grande aliado na perda de peso, já que reduz a vontade de comer, retarda o esvaziamento gástrico (tempo em que os alimentos ficam no estômago) e ainda tem todo esse efeito metabólico que ajuda a diminuir a gordura no fígado, a gordura visceral (gordura na barriga). 

Os medicamentos do tipo GLP-1 são frequentemente usados no tratamento do diabetes tipo 2, especialmente quando outros medicamentos para diabetes orais não são eficazes na redução dos níveis de glicose. Além disso, eles também podem ser indicados para pessoas com sobrepeso ou obesidade que desejam perder peso, já que têm o benefício adicional de auxiliar no controle do apetite.

🚨 É importante ressaltar que o uso de medicamentos GLP-1 deve ser prescrito e monitorado por um profissional de saúde, e nem todos os pacientes com diabetes ou excesso de peso são candidatos a esse tipo de tratamento. Cada pessoa é única, e a escolha do tratamento deve ser personalizada, com base nas necessidades e condições individuais. Além disso, como qualquer medicamento, os agonistas de GLP-1 podem ter efeitos colaterais, que devem ser discutidos com um médico.

Consulte o endocrinologista da CLAF!

Quais os medicamentos à base de GLP-1 disponíveis no Brasil?

O GLP-1 é o hormônio que gera todos os efeitos listados acima e, a partir dele, foi desenvolvida uma série de medicamentos, que têm o mesmo funcionamento, mas com algumas diferenças. Aqui no Brasil, estão disponíveis as seguintes opções:

Medicamentos à base de liraglutida

Nesse grupo, podemos citar o Victoza e o Saxenda, administradas por meio de uma injeção subcutânea diária

Ambas têm a mesma ação, com a única diferença de que a caneta do Victoza permite dosagens menores, sendo mais indicada para tratar o diabetes tipo 2, enquanto que a do Saxenda permite dosagens maiores, sendo mais indicada para emagrecimento.

Medicamentos à base de dulaglutida

Disponível em uma única formulação (o Trulicity), a dulaglutida é administrada por meio de uma injeção subcutânea semanal, o que pode ser mais confortável do que as opções de uso diário.

Seu uso é indicado para tratar o diabetes tipo 2, não sendo recomendada para emagrecimento.

Medicamentos à base de semaglutida

Disponível em diferentes formulações, como o Ozempic, com dose mais baixa, indicada para tratar o diabetes tipo 2, e o Wegovy, em dose mais alta, sendo mais indicada para tratar a obesidade. Ambas têm indicação de serem usadas em injeção subcutânea semanal.

Mais recentemente, também foi lançado o Rybelsus, que é a única opção via oral desse tipo de medicamentos.

É importante observar que a escolha entre esses medicamentos depende das necessidades e condições individuais de cada paciente, bem como das recomendações de um profissional de saúde. 

Além disso, enquanto esses medicamentos podem ser eficazes para o emagrecimento em algumas pessoas, eles geralmente são prescritos como parte de um programa de gerenciamento de peso que inclui dieta e exercícios físicos

Sempre consulte um médico para discutir as opções de tratamento adequadas ao seu caso específico.

Quais os riscos desse tipo de medicação?

As medicações à base de GLP-1 são geralmente seguras e eficazes no tratamento do diabetes tipo 2 e para a perda de peso, contanto que sejam prescritas por profissionais habilitados, como endocrinologistas.

Ainda assim, como qualquer outra medicação, seu uso pode gerar alguns efeitos colaterais, que vale a pena citar:

Hipoglicemia

Embora menos comuns, em comparação com alguns outros medicamentos para diabetes, os agonistas de GLP-1 podem causar hipoglicemia (baixos níveis de açúcar no sangue), especialmente quando usados em conjunto com outros medicamentos para diabetes, como a insulina ou as sulfonilureias. No entanto, o risco de hipoglicemia com GLP-1 é geralmente menor.

Problemas gastrointestinais

Efeitos colaterais gastrointestinais, como náuseas, vômitos, diarreia e desconforto abdominal, podem ocorrer no início do tratamento com GLP-1. Geralmente, esses sintomas tendem a diminuir com o tempo.

Perda de peso

Embora seja um benefício para algumas pessoas, a perda de peso significativa pode ser um risco para outras, especialmente aquelas que não precisam ou não desejam perder peso.

Pancreatite

Embora rara, a pancreatite (inflamação do pâncreas) pode ocorrer como um efeito colateral. Os pacientes devem estar cientes dos sintomas de pancreatite, como dor abdominal intensa e persistente, e relatar imediatamente ao médico se ocorrerem.

Reações alérgicas

Embora raras, reações alérgicas, como erupção cutânea, inchaço ou dificuldade respiratória, podem ocorrer e devem ser comunicadas imediatamente ao médico.

É importante lembrar que nem todas as pessoas experimentarão esses efeitos colaterais ou riscos, e o uso de medicamentos à base de GLP-1 deve ser supervisionado por um médico que avaliará a relação entre os benefícios e riscos específicos para cada paciente. 

É fundamental que os pacientes comuniquem qualquer efeito colateral ou preocupação ao profissional de saúde para que o tratamento possa ser ajustado conforme necessário.

————————————

Se você tem diabetes tipo 2 ou obesidade e interesse por avaliar se os medicamentos à base de GLP-1 são indicados para seu caso, considere a Clínica CLAF como sua opção.

Dispomos de endocrinologistas experientes e atenciosos que farão a avaliação do do seu quadro para recomendar a melhor opção.

Se você está em Brasília ou Entorno, clique no link abaixo e venha cuidar da sua saúde conosco!

Quero agendar minha avaliação na CLAF

Powered By: Clínica da família