CLAF

Segunda a Sexta de 7h às 19h
Sábado de 7h às 12h

CLAF

(61) 3345-7679

5 consequências da obesidade

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de um bilhão de pessoas em todo o planeta são obesas, destes, 650 milhões são adultos, 340 milhões são adolescentes e 39 milhões são crianças.

Diante de números tão assombrosos, fica clara a necessidade de medidas fortes de combate à doença. Confira neste artigo,  as principais consequências da obesidade, assim como as causas e formas de prevenção.

Consulte o endocrinologista da CLAF!

Quais são as consequências da obesidade para a saúde? 

A obesidade é uma doença bastante comum e que pode desencadear uma série de problemas graves, que podem tanto prejudicar a vida dos pacientes ou até mesmo levá-los a óbito, quando não tratada.

Nos tópicos a seguir você confere cinco das principais consequências ligadas à doença:

1. Outros problemas de saúde

O ganho excessivo de peso e o acúmulo de gordura em diversas áreas do corpo, como: braços, pernas, fígado, veias e coração, trazem consigo uma variedade de outras doenças bastante perigosas. Quando combinadas, apresentam ainda maiores riscos para a saúde dos pacientes.

Entre elas:

  • Hipertensão, Infarto e AVC;
  • Diabetes tipo 2;
  • Problemas respiratórios (asma e apneia do sono);
  • Colesterol alto;
  • Esteatose hepática (doença gordurosa do fígado);

2. Dificuldade de locomoção 

Em alguns casos, a obesidade também consegue afetar a capacidade motora dos pacientes. Devido ao acúmulo de gordura na região abdominal e das pernas, a massa corporal total aumenta.

Como a estrutura muscular não está preparada para um aumento de carga tão grande, o paciente pode sentir dificuldade de se locomover – podendo ficar cansado ao dar pequenas caminhadas ou até mesmo não conseguir sair da cama. 

A obesidade causa também o desgaste ósseo levando à osteoartrite.

Veja também

Hirsutismo: o que é, sintomas e como tratar?

3. Impotência e infertilidade

A vida sexual do paciente também pode ser afetada pela obesidade. Nestes casos, os distúrbios hormonais causados pelo excesso de gordura corporal dificultam a capacidade de concepção das mulheres (Síndrome dos Ovários Policísticos ) ,e no caso dos homens, comprometem a circulação do sangue para o corpo, interferindo na irrigação dos vasos do pênis.

4. Baixa autoestima 

A obesidade não afeta apenas os aspectos físicos do paciente, mas também as questões emocionais, especialmente a autoestima. 

Neste caso, a autoaceitação do corpo se torna ainda mais difícil e os sintomas psicológicos como ansiedade, falta de sociabilidade, sensação de incapacidade e depressão podem começar a surgir.

5. Desenvolvimento de câncer 

A doença também está diretamente relacionada ao aparecimento de diferentes tipos de câncer, como nos homens de próstata,  reto e intestino; e nas mulheres de mama , vesícula biliar e endométrio .

Por se tratar de uma doença inflamatória, na qual há uma maior proliferação celular, devido à grande quantidade de mediadores químicos secretados na corrente sanguínea, há uma maior propensão de desenvolvimento do câncer.

Principais causas da obesidade 

Na maioria dos casos, a obesidade é o resultado da combinação de uma série de fatores, que podem envolver tanto questões hereditárias, quanto ações do dia a dia.  

Dentre as principais razões, podemos destacar:

  • Alimentação rica em açúcares, gorduras e carboidratos; 
  • Alterações hormonais, especialmente as ligadas a leptina e grelina (dois hormônios importantes para a regulação do apetite); 
  • Sedentarismo; 
  • Problemas emocionais; 
  • Predisposição genética; 
  • Uso de medicamentos que favorecem o ganho de peso, como os corticoides;

Obesidade: prevenção e tratamentos 

Grande parte dos médicos recomenda a adoção de hábitos voltados para uma rotina mais ativa e saudável, como:

  • Atividades físicas – Busque começar com exercícios mais leves e curtos para não prejudicar o corpo, aos poucos vá aumentando o tempo e a intensidade dos exercícios;
  • Alimentação – Uma dieta balanceada, rica em vegetais, frutas, grãos e proteínas é importantíssima para a prevenção e combate de várias doenças, especialmente a obesidade;
  • Uso de medicamentos – A obesidade é uma doença  crônica,                                    

que exige tratamento contínuo, sendo comum, a necessidade da indicação de remédios que podem tanto ajudar a regular o sistema hormonal quanto a saciar a fome. 

Porém, vale ressaltar que o consumo de medicamentos só é recomendado após uma consulta com um especialista médico, de preferência com um endocrinologista;

  • Procedimentos cirúrgicos – Em alguns casos mais graves pode ser recomendada a realização de uma cirurgia bariátrica, a famosa redução de estômago, em que busca-se a alteração do tamanho do estômago do paciente.

Para mais informações sobre a importância do endocrinologista, não deixe de ler:
O que faz um médico endocrinologista?

Quando buscar um endocrinologista?

O mais recomendado para o tratamento da obesidade, é consultar-se com um endocrinologista, que é o médico mais habilitado para acompanhar pacientes obesos e que estão em processo de emagrecimento.

A endocrinologia é a especialidade que trata dos vários sintomas da doença, além do cuidado com as disfunções hormonais que podem ter causado o problema.

Veja também:
Como um endocrinologista ajuda a emagrecer?

Para que esse tratamento possa trazer os melhores resultados possíveis, é importante contar com a ajuda de um profissional experiente, como os da Clínica da Família

Nossa equipe de endocrinologistas está preparada para te atender nas mais diferentes necessidades, sempre focando em um atendimento humanizado, responsável e especializado.

Se você está em Brasília ou Entorno, agende seu atendimento e venha cuidar da sua saúde com quem mais entende do assunto.

Quero agendar uma consulta com um endocrinologista da CLAF

Powered By: Clínica da família