CLAF

Segunda a Sexta de 7h às 19h
Sábado de 7h às 12h

CLAF

(61) 3345-7679

Quando um nódulo na mama é preocupante?

O nódulo mamário consiste em uma tumoração presente na glândula mamária de uma paciente, podendo apresentar tanto um aspecto líquido (também chamado de cístico), quanto sólido.

Mas a partir de quando um nódulo no seio passa a ser preocupante? Confira a resposta para essa  e outras perguntas no artigo a seguir. Acompanhe!

Nódulo na mama: quando é preocupante? 

Nódulos duros (que não se movem facilmente à palpação), e aqueles que apresentam crescimento rápido e repuxamento da pele, são considerados mais suspeitos. 

É importante prestar bastante atenção nestes sinais, pois os nódulos podem ser uma indicação do desenvolvimento de um câncer de mama, especialmente se as pacientes: 

  • Possuírem idade acima dos 50 anos — período de maior risco do aparecimento de câncer de mama.
  • Possuírem familiares de primeiro grau (mãe, irmã ou tia) com câncer de mama, principalmente antes dos 50 anos. 
  • Tiveram algum familiar próximo com câncer de mama masculino. 
  • Familiares de primeiro grau com câncer de ovário. 

Veja também

Hirsutismo: o que é, sintomas e como tratar?

Como identificar se tenho um nódulo mamário? 

Na maior parte dos casos, os nódulos mamários não são sinal de câncer, sendo apenas uma alteração benigna e que não colocam a vida da paciente em risco. 

O nódulo pode ser encontrado pela própria paciente durante o auto exame, porém o ideal é que seja identificado nos exames de rotina, pois nestes, podem ser vistos nódulos muito pequenos — com milímetros — e sabemos que a cura do câncer de mama se relaciona diretamente com o tamanho do tumor.

Mulheres com menos de 40 anos devem fazer a ultrassonografia mamária; e aquelas com mais de 40 anos, a mamografia e ultrassonografia mamária. 

Se estes exames demonstrarem um nódulo suspeito, o médico indicará uma biópsia, que poderá ser realizada por agulha grossa — como a core biópsia e a mamotomia — sempre com anestesia.

A biópsia é o procedimento pelo qual é retirado um pedaço do nódulo, para que então seja avaliado em laboratório, se existem ou não células cancerígenas.

Saiba mais sobre o autoexame:
Quais os sinais de alerta no autoexame das mamas

Os nódulos costumam ser separados em benignos — que não apresentam risco para a saúde da mulher — e os malignos.

Os nódulos benignos mais comuns são:

  • Fibroadenoma 

Trata-se de um nódulo benigno, de formato arredondado, liso, móvel, indolor e de crescimento lento. É bastante comum entre as mulheres em idade fértil, ou seja, com menos de 35 anos.

  • Alterações fibrocísticas

Causam dor na região da mama e o aparecimento de pequenos cistos e placas semelhantes à nódulos, durante a palpação das mamas. 

Esse tipo de problema está diretamente ligado ao desequilíbrio hormonal — especialmente durante o período menstrual — quando ocorre um aumento da atividade hormonal no corpo. 

Elas tendem a reduzir após o período menstrual, e são completamente benignas. 

  • Cistos simples 

São bastante comuns entre as mulheres no período pré-menopausa e durante a menopausa, ou seja, entre o público feminino acima dos 40 anos, e são benignos. 

Esse tipo de nódulo é constituído apenas de líquido, possuindo bordas bem definidas e um revestimento bem fino. 

Às vezes podem causar dor e apresentar crescimento rápido, devido a um pequeno sangramento em seu interior ou a uma inflamação. 

Os cistos só apresentam algum risco de malignidade quando possuem conteúdo sólido em seu interior.  Isso é determinado pela ecografia. 

  • Lipoma 

O lipoma nada mais é que um nódulo de tecido lipídico (gordura), nas mamas. Por conta disso, esse tipo de nódulo é mais mole e macio, podendo se mover livremente pela mama, quando palpado.

Também não há necessidade de tratar esse tipo de problema — por ser não ser maligno — mas alguns pacientes podem se incomodar com a presença do nódulo, podendo requisitar, assim, a retirada do mesmo através de uma cirurgia. 

E quanto ao nódulo maligno? Geralmente o que as mulheres mais temem  quando identificam um nódulo na mama, é que seja um câncer no seio.

As alterações cancerígenas diferem bastante em relação aos nódulos benignos, que vimos anteriormente:

  • Câncer de mama

O câncer de mama é um dos tipos de câncer de maior incidência entre as mulheres do país — de acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA).

Esse tipo de nódulo é bastante rígido, espesso e compacto, possui um formato irregular e não costuma causar dor. 

É importante lembrar que quando menores que 2,0 cm, os nódulos malignos têm mais de 95 por cento de chance de cura, e geralmente não são palpáveis pelas pacientes. Daí se vê a grande importância dos exames de rotina,  como a ecografia e a mamografia. 

Apesar de bastante associado ao câncer, é importante lembrar que nem todo nódulo indica, necessariamente, essa condição. Por isso, é sempre importante realizar um check-up e consultar um profissional de saúde periodicamente. 

Para mais informações sobre o câncer de mama, leia:
Quais os sinais do câncer de mama

Além destes, também existem os nódulos ligados a outros problemas de saúde, como é o caso das infecções das mamas.

Como a mastite durante a gravidez, e a mastopatia diabética — um tipo de inflamação exclusiva entre as diabéticas — que causa vermelhidão, dor e o aparecimento de pequenos caroços nos seios.

Veja também:
6 tipos de doenças mamárias comuns entre mulheres a partir dos 40 anos 

Mastologista em Brasília (DF)

Como tratar nódulo no seio? 

Como você pôde ver anteriormente, alguns nódulos não necessitam de tratamento, pois não provocam alterações na saúde da paciente. 

Porém, é sempre recomendado a consulta como um mastologista, ou ginecologista,  para que as ações corretivas sejam tomadas o quanto antes. 

Para que você possa se prevenir de problemas maiores (como o câncer de mama), é importante contar com a ajuda de profissionais que entendam do assunto.

A Clínica da Família é especialista nos cuidados com a saúde da mulher, se você é de Brasília ou Entorno, agende seu atendimento.

Venha cuidar da saúde das suas mamas com quem é referência no assunto:

Quero agendar minha consulta com a CLAF

Powered By: Clínica da família