Câncer de ovário tipos, sintomas e tratamento

O câncer de ovário se caracteriza como o segundo câncer ginecológico (neoplasia) mais comum de ocorrer, segundo o INCA (Instituto Nacional de Câncer). Principalmente por ser uma enfermidade de difícil detecção em estágios iniciais pela ausência de sintomas marcantes, estima-se que cerca de 70% dos casos só sejam diagnosticados em estágios mais avançados, complicando as possibilidades de tratamento. 

Acompanhe o artigo para descobrir mais sobre o câncer de ovário e como fazer para garantir um diagnóstico rápido e eficiente. 

Os tipos de câncer de ovário 

Os ovários fazem parte do sistema reprodutor feminino, e estão ligados ao útero. Eles são constituídos por três tipos básicos de células: as células epiteliais (revestindo a superfície), as células germinativas (responsáveis por dar origem aos óvulos) e as células da teca-granulosa (ou estromais), que produzem os hormônios femininos progesterona e estrogênio. 

A primeira classificação de diferentes tipos de desenvolvimento dessa enfermidade acontece determinando em qual dessas células o câncer teve início. A maior parte dos casos de câncer de ovário (90-95% dos casos) se origina nas células epiteliais, por essa razão, vamos nos concentrar nesse tipo específico. 

Tumores epiteliais

São também denominados carcinomas epiteliais do ovário e podem ser classificados em tipos: tipo seroso de baixo e alto grau (52%), mucinoso (6%), endometrióide (10%) e de células claras (6%).

São muitos os fatores a se considerar quando estamos avaliando um quadro cancerígeno, mas fatores que não podem faltar para conseguir uma avaliação mais concreta de cada um dos quadros são: o grau, o estágio, a natureza, a rapidez de desenvolvimento e a resposta à quimioterapia. 

Os tumores tipo I, por exemplo, como o carcinoma seroso de grau 1, carcinoma de células claras, carcinoma mucinoso e carcinoma endometrioide tendem a apresentar um crescimento mais  vagaroso, com poucos sintomas e pouca resposta à quimioterapia.

Por outro lado, tumores do tipo II, como o carcinoma seroso de alto grau cresce e se dissemina mais rapidamente, apresentando uma melhor resposta à quimioterapia. 

Nessa categoria também podemos encontrar os tumores denominados borderline (de natureza não invasivos ou de baixo potencial de malignidade), que costumam crescer devagar e raramente dão origem a metástases, acometendo pacientes mais jovens e apresentando  melhores índices de cura. 

Sinais e sintomas do câncer de ovário

Sinais e sintomas do câncer de ovário

Um dos maiores perigos e preocupações a respeito do câncer de ovário diz respeito a inespecificidade ou ausência de seus sintomas nas primeiras fases, dependendo de qual a natureza e tipo do câncer. 

Nas fases iniciais, o câncer de ovário é assintomático, ou tende a causar sintomas no aparelho digestivo,  como:

  • má digestão;
  • sensação constante de estômago cheio;
  • azia;
  • prisão de ventre. 

Porém , a lista de sintomas é ampla e pode variar de mulher para mulher, tendo sido listados como possíveis:

  • dor e inchaço abdominal;
  • dor na região pélvica;
  • necessidade constante de urinar;
  • alterações na menstruação ou sangramento vaginal irregular;
  • perda de apetite;
  • oscilações no peso;
  • dores durante relações sexuais;
  • náusea;
  • indigestão;
  • prisão de ventre;
  • cansaço constante

O tamanho dessa lista apenas serve para confirmar o quão difícil pode ser perceber o câncer de ovário apenas pelos sintomas, especialmente considerando que eles só aparecerão em estágios mais avançados da enfermidade. 

Diagnóstico do câncer de ovário

 A ultrassonografia  transvaginal geralmente é o primeiro exame a ser feito, sendo indicada posteriormente a Ressonância Magnética,  e a PET- CT para detecção da extensão da doença.  

Os marcadores tumorais no sangue são proteínas no sangue, que demonstram a presença do tumor , mas geralmente sao utilizados no acompanhamento da doença,  por serem muito inespecíficos. Os mais comumente utilizados são CA 125,  CA 19-9 , alfafeto proteína,  e beta HCG. 

Tratamentos  do câncer de ovário

Existem duas abordagens mais usuais no tratamento de câncer de ovário: a cirurgia e a quimioterapia.

Cirurgia 

Uma vez diagnosticado, o primeiro curso de ação para combater o câncer de ovário é a cirurgia. O objetivo dela é retirar do corpo toda a área lesada para evitar que a propagação de células cancerígenas continue. A complexidade de cada caso vai determinar os moldes de cada uma das cirurgias, porém podemos citar alguns exemplos. 

laparoscopia tem sido indicada como o melhor procedimento para a avaliação do grau de agressividade do tumor , chamado estadiamento, a partir do qual será indicado o melhor tratamento. 

Em estágios iniciais; em alguns casos, pode ser realizada a retirada do ovário afetado, com preservação do outro ovário e do útero.

A cirurgia clássica consiste na retirada do útero, ovários,  trompas e da gordura acima destes órgãos,  o omento. O apêndice pode também ser retirado. 

Quimioterapia 

A quimioterapia costuma aparecer como uma medida para complementar o procedimento cirúrgico, aumentando as chances de cura. Dentre os medicamento administrados por via intravenosa durante o tratamento, podemos citar: a carboplatina, paclitaxel e bevacizumabe. 

A duração do tratamento pode variar de acordo com cada caso, mas costuma durar, em média, por volta de 5 meses. 

Prevenção do câncer de ovário

O grupo mais propenso a desenvolver o câncer de ovário são mulheres acima de 50 anos, que já tenha passado ou estejam passando pela menopausa. 

Alguns estudos conseguiram relacionar o uso de anticoncepcionais e uma maior quantidade de gestações como fatores que poderiam estar relacionados à prevenção do câncer de ovário, uma vez que se acredite que a mulher esteja mais propensa a desenvolver o câncer quanto mais ovulações tiver. Porém, ainda é um cenário de muitas incertezas. 

O que sabemos, com certeza, é que o câncer de ovário é uma doença perigosa e silenciosa mas que, como qualquer outra doença, quanto mais cedo for diagnosticada, maiores chances de recuperação apresenta.

Por isso, os check-ups anuais, especialmente para as mulheres acima de 50 anos e o acompanhamento médico se tornam essenciais para garantir a sua saúde e bem-estar! 

Nós da CLAF queremos ajudar a manter sua saúde e bem-estar! Por isso, temos uma rede de profissionais prontos para te atender! Clicando aqui, você agenda conosco uma consulta caso esteja com alguma questão, tenha alguma dúvida ou queira ficar em dia com seus check-ups! 

agendar consulta clinica claf
Agende a sua consulta com especialistas em Ginecologia na Clínica Claf!

Leia também: 

Quando devo me consultar com um ginecologista

Check up da mulher na quarentena: é seguro adiar? 


0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?